Ivete Sangalo anuncia participação de Alejandro Sanz e Brian McKnight em novo DVD | Música

Ivete Sangalo vai contar com duas participações internacionais em seu novo DVD. A cantora confirmou a parceria com Alejandro Sanz e Brian McKnight no palco do Allianz Parque, em São Paulo, no dia 8 de dezembro, quando acontece a gravação do “Live Experience”.

“Alegria ter esses amigos queridos que vão deixar meu ‘Live Experience’ mais especial. Cantar com esses caras é muito massa e vai ser lindo recebê-los nesse projeto maravilhoso! Falta menos de um mês e o coração aqui tá só ansiedade e alegria”, escreveu Ivete ao anunciar os dois convidados.

Ivete já gravou em parceria com os dois artistas. Ao lado de Alejandro Sanz, ela cantou “Corazón Partío”, no DVD “Ivete no Maracanã”, e participou da faixa do espanhol “Não Me Compares”. Já com Brian McKnight gravou “Back At One”.

Antes deles, Ivete Sangalo já havia confirmado as participações de Marília Mendonça, Ferrugem e Leo Santana no novo trabalho.

Em Brasília, governadores eleitos defendem diálogo com Bolsonaro e novo pacto federativo – Política

BRASÍLIA – Em um encontro de governadores eleitos em 2018 com a participação do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), em Brasília, novos mandatários adotam tom conciliatório na manhã desta quarta-feira, 14. O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), afirmou, nesta quarta-feira, 14, que os governadores eleitos do Nordeste têm “todo interesse” em trabalhar em conjunto com a Federação a partir do próximo ano.

Dias é o único representante do Nordeste na reunião. “Estou bastante animado que vamos poder dialogar. A disposição do Nordeste é do diálogo”, afirmou ao chegar no evento.

Segundo Dias, os demais governadores nordestinos não compareceram porque tinham outros compromissos. Ele justificou, ainda, que o encontro foi organizado por três governadores, e não pelo presidente eleito. A reunião foi uma iniciativa dos governadores eleitos de São Paulo, João Doria (PSDB), do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) para debater propostas de atuação conjunta dos Estados e também dar um panorama dos principais problemas. “Todos do Nordeste gostariam de estar aqui. O que acontece é que é uma iniciativa de três governadores eleitos e não do presidente eleito”, destacou o governador do Piauí. 

Dias afirmou que os governadores do Nordeste pretendem marcar uma reunião com Bolsonaro após a posse, no início do ano que vem, e devem entregar uma manifestação com os principais interesses da região, citando como prioridade a área da segurança pública e também a geração de empregos.

Sobre as pautas do novo governo, Dias não descartou apoio à reforma da Previdência, mas disse que é preciso defender “que (a proposta) não se transforme em prejuízo aos mais pobres e mulheres”. “É uma pauta nacional, claro que é possível trabalhar a Previdência”, respondeu.

Trabalho conjunto. Ao chegar ao evento, o governador eleito do Pará, Helder Barbalho, defendeu políticas regionalizadas para os Estados e ao pagamento de recursos da Lei Kandir, que compensa os Estados pela perda de tributos sobre bens exportados. Barbalho pediu que Estados e União trabalhem juntos para corrigirem os problemas nas duas esferas. “É hora de trabalhar de forma conjunta, dissociar o governos estaduais e federal é um equívoco”, completou.

O governador eleito de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) disse que sua equipe ainda está levantando informações sobre as finanças do Estado, que passa por uma grave crise fiscal. “A nossa intenção é trazer todos os indicadores para dentro das metas”, disse. 

Doria. O governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse há pouco que a proposta de novo pacto federativo não exigirá novos recursos da União para os Estados. Segundo ele, a ideia é descentralizar as decisões para que os governadores tenham mais independência para investirem recursos já orçados para áreas como Saúde, Educação, Transportes, Infraestrutura e Segurança Pública. 

“Há uma decisão política do presidente eleito Jair Bolsonaro para realizarmos esse novo pacto federativo. Os governadores terão mais agilidade para fazer suas políticas. Os recursos já existem e não dependerão de emendas, por isso o pacto poderá ser implementado o mais rápido possível”, afirmou Doria, ao chegar ao Fórum dos Governadores.

“A contrapartida exigida será um esforço de ajuste fiscal por parte dos governos estaduais”, adiantou Dória. “Também falaremos hoje sobre Previdência e governabilidade”, acrescentou o governo eleito. 

O embate entre STF e Bolsonaro

No modelo americano, é praxe um presidente governar sem maioria na Câmara. Até com o carismático Obama, a regra se manteve.

Com Trump do Partido Republicano no poder, lá foi o eleitor americano dar maioria à oposição, o Partido Democrático, na eleição de “mid-turn” que renova a Casa.

O americano demonstra, assim, não querer o poder na mão de apenas um grupo ideológico. Pensa plural. Pensa nos dois se controlando.

No Brasil, a falta de governabilidade, ou seja, maioria no Congresso, derrubou três presidentes eleitos democraticamente, Jânio (que renunciou em protesto), Collor e Dilma.

A partir de 2019, Bolsonaro não terá dificuldade em compor maioria na Câmara.

Seu partido, a segunda bancada, o PSL, tem 10% das cadeiras (52 deputados).

Somando os que já se aliaram, o presidente chega a 58% na Câmera e no Senado.

Com o apoio do Novo e DEM, vai para 65%.

E graças a Doria e governadores eleitos pelo PSDB que abraçaram a causa bolsonarista (considerados traidores pela velha guarda tucana), abre vantagem sobre os 2/3 necessários para emendas constitucionais.

Ou seja, podem mudar em partes a Constituição.

O grande embate entre Bolsonaro não se dará no Congresso, mas no STF, como direitos individuais, de quilombolas e indígenas, fim das cotas em universidades, casamento gay, aborto, liberdade de expressão, escola sem partido, armamento, diminuição da maioridade penal, entre outras propostas que estão no programa chancelado democraticamente pela maioria do eleitor.

O STF, que se reúne e vota sob um discreto crucifixo, terá que legislar sobre as relações entre Estado laico e “Deus acima de tudo”, lema tão propagado na campanha do presidente eleito.

Diferentemente dos EUA, em que o embate se dá entre Executivo e Legislativo, aqui será entre a dupla Executivo-Legislativo versus Judiciário.

Vai ser uma luta sem favorito.

Até começarem a mudar os ministros que se aposentam. Aí…

Alea acta jest.

Lady Gaga faz surpresa e entrega pizza em abrigo na Califórnia após incêndio | Pop & Arte

Aproveitando o Dia Mundial da Bondade, a cantora visitou o abrigo da Cruz Vermelha (Red Cross), em Los Angeles, e entregou pizzas, cafés e alguns presentes.

“Hoje é meu dia favorito do ano, o Dia Mundial da Bondade. E eu incentivo vocês a fazer uma boa ação, mesmo que ela seja para vocês mesmos”, afirmou a cantora de 32 anos em seu Stories do Instagram.

Segundo o jornal Daily Mail, a cantora passou cerca de 90 minutos no abrigo. Ela tirou fotos, entregou os presentes e ainda cantou para uma mulher de 98 anos que também precisou deixar sua residência por causa do incêndio.

Lucho Gatica deixa obra conectada com artistas do Brasil através do sentimento universal do bolero | Blog do Mauro Ferreira

Uma das vozes referenciais desse gênero musical nascido em Cuba e que se espalhou pelo mundo ao ser adotado pelo México, o bolero é vizinho musical do samba-canção do Brasil. O que explica as habituais adesões de cantores brasileiros ao gênero e as recorrentes conexões de Gatica com ídolos e discos nacionais.

Em 1980, o cantor gravou Apelo (Baden Powell e Vinicius de Moraes, 1966) em disco em tributo ao compositor e poeta carioca Vinicius de Moraes (1913 – 1980), Eterno retorno.

Com a alma que caracteriza os melhores intérpretes de boleros, Gatica também gravou e legou dois discos pautados pela associação da voz do astro chileno com artistas e com músicas do Brasil.

Ambos foram lançados originalmente em 2001, embalado na caixa Lucho Gatica & convidados – Dançando ao som de grandes boleros.

No primeiro dos quatro discos da caixa, Lucho Gatica entre amigos, o artista revisitou boleros de fama mundial ao lado de cantores brasileiros como Cauby Peixoto (1931 – 2016), Danilo Caymmi, Emilio Santiago (1946 – 2013), Joanna, João Bosco, Leny Andrade, Nana Caymmi e Raimundo Fagner.

Com Nana, cantora carioca cuja discografia inclui dois álbuns inteiramente dedicados ao bolero (Bolero e Sangre de mi alma, lançados em 1993 e em 2000, respectivamente), Gatica fez dueto em Solamente una vez (Agustín Lara, 1942).

Com Leny Andrade, outra cantora carioca que transita com a devida técnica e emoção pelo bolero, Gatica dividiu a interpretação de Contigo aprendi (Armando Manzanero, 1967).

No terceiro disco da caixa, Brasil bolero, Gatica inverteu a rota e deu voz a boleros nacionais como Dois pra lá, dois pra cá (João Bosco e Aldir Blanc, 1974) e Enquanto espero (João Bosco e Francisco Bosco, 1997) com os mesmos cantores convidados do primeiro disco.

Cantora carioca que também gravou disco dedicado ao bolero, Joanna foi a convidada de Bilhete (Ivan Lins e Vitor Martins, 1980).

Enfim, a dinastia desse rei do bolero transcende épocas, gêneros e fronteiras geográficas porque o sentimento do bolero é universal e atemporal. Por isso mesmo, a obra de Lucho Gatica também abarca o Brasil.

 — Foto: Editoria de Arte / G1  — Foto: Editoria de Arte / G1

— Foto: Editoria de Arte / G1

‘Não tinha paquita negra, eram todas loiras’, relembra Adriana Bombom – Emais

Adriana Bombom, ex-dançarina e assistente de palco de Xuxa no fim dos anos 1990.

Adriana Bombom, ex-dançarina e assistente de palco de Xuxa no fim dos anos 1990. Foto: Instagram/@adrianabombom

De babá e empregada doméstica para dançarina e assistente de palco de Xuxa no fim dos anos 1990. Assim resume Adriana Bombom sobre sua fama durante o programa Luciana By Night desta terça-feira, 13, na Rede TV!.

“Comecei a fazer um trabalho de figurante quando trabalhava em uma loja de um shopping. Numa dessas, me convidaram na academia para completar o quadro. O cachê era R$ 50. A Marlene (Mattos) viu meu desempenho e me convidou para trabalhar. Saí com o dinheiro, o autógrafo e o emprego”, relembra a artista.

A convite da diretora Marlene Mattos, Adriana Bombom participou como dançarina e assistente de palco dos programas Xuxa Hits, de 1996 a 1997, e Planeta Xuxa, de 1997 a 2002. “Não tinha paquita negra, eram todas loiras. Tinha sempre uma cobrança. Passava geração, mas nunca entrava uma negra. Fui ficando, me tornei a paquita única”, afirma Adriana, que se divertia muito com as ‘paquitas oficiais’.

Questionada se já sofreu ataque racista, ela declarou: “Quem não? Tudo magoa, a falta de oportunidade, o desmerecimento da sua cor, do seu cabelo, tudo é muito grave. Eu faço a louca, fico triste, mas passa”.

Assista ao vídeo:

 

 

Adriana Bombom é casada com o cantor Dudu Nobre e tem duas filhas, Thalita e Olívia, que são adolescentes. “Pego no pé mesmo, são muito bagunceiras. Lavar uma louça, dar uma descarga não custa, né?”, comentou.

No perfil oficial no Instagram, Adriana Bombom publicou um vídeo no camarim da Rede TV! mostrando o look para o programa de Luciana Gimenez.

 

 

Stan Lee estava trabalhando em novo super-herói, diz site | Pop & Arte

Stan Lee estava trabalhando em um super-herói inédito antes de morrer. Segundo sua filha, J.C. Lee, o quadrinista trabalhou no projeto até o último final de semana. Stan Lee morreu na segunda-feira (12), aos 95 anos. O criador de heróis da Marvel passou mal em sua casa em Los Angeles, nos EUA, e foi levado ao hospital, onde morreu. Ele sofria de pneumonia e de problemas nos olhos.

J.C., responsável pela criação do personagem, disse que pretende seguir com o projeto após a morte do pai. A filha de Stan Lee revelou a novidade durante entrevista ao TMZ sobre o legado do pai.

O nome escolhido para o super-herói em produção é Dirt Man (Homem-sujeira, em tradução livre).

Quando questionada sobre os poderes de Dirt Man, J.C. disse apenas que “isso é muito interessante”. Ela também não detalhes sobre quando o novo herói estará nas telonas.

Saiba identificar se o seu pet sofre com a dor crônica

Brida Anderson/Creative Commons

Com o avanço da medicina veterinária, cães tendem a viver mais e surgem problemas relacionados à idade

O seu cão tem dificuldade de subir e descer escadas, não mostra mais o mesmo entusiasmo em sair para passear ou já não faz festa quando você chega em casa? Esses são alguns sintomas que demonstram que o seu pet pode estar sofrendo de dor crônica.

“Com o avanço da medicina veterinária, os cães tendem a viver mais e problemas relacionados à idade também passam a ser mais frequentes. A osteoartrite é uma das doenças mais recorrentes nesta fase”, afirma Luciana Nishi, gerente de Marketing da Vetoquinol.

Joz3.69/Creative Commmons

Os sinais clínicos mais comuns

1- Dificuldade para realizar movimentos, como correr, caminhar, levantar;

2- Maior esforço para movimentação em pisos lisos;

3- Claudicação (mancar) de um ou dois membros posteriores, o que leva a depositar mais peso nos membros anteriores;

4- Redução na amplitude das passada;

5- Relutância à realização de exercícios;

6- Evitar ser tocado.

plenty.r./Creative Commons

De onde vem a dor?

Uma das doenças que mais causam dor é osteoartrite. Uma doença degenerativa crônica que afeta ossos e tecidos moles de articulações (principalmente joelhos). Além de causar dor, reduz a flexibilidade do animal. A dor crônica também pode ser causada por otite, tumores (câncer), traumas mecânicos oriundos de fraturas, contusões, doenças renais, doenças periodontais e por distúrbios neurológicos.

O que fazer?

Se o cão ou gato sofre de alguma dor crônica é necessário acompanhamento veterinário. “O profissional especializado sabe como realizar o manejo da dor, que envolve o uso de medicamentos específicos, como anti-inflamatórios não-esteroidais (AINES) e/ou analgésicos, assim como tratamentos complementares”, afirma Luciana.

Como evitar?

O tutor pode colaborar com alguns cuidados no dia a dia que podem dar mais conforto ao pet:

1- cama confortável

2- piso antiderrapante

3- evitar deixar o pet em local frio ou exposto a umidade

4- elevar os comedouros e bebedouros

5- controlar o peso por meio de dieta equilibrada

6- exercícios diários

7- oferecer brinquedos e desafios

8- visitas anuais ao médico veterinário

Twangbopalula/Creative Commons

Dor e comportamento

Diversos comportamentos podem ser consequência de dores frequentes. Um dos cães que atendi na última semana se encaixa perfeitamente nesta situação. O pequeno cão da raça lhasa apso chegou com queixa de agressividade. Sempre doce, o peludo mudou de comportamento e começou a morder pessoas que mexiam nele. Basta ele estar deitado no sofá, alguém vinha retirá-lo, lá vinha a mordida.

Além da agressividade, outro comportamento chamou muito a atenção: o cão, que antes amava colo, passou a ser arredio e evitar contato mesmo da tutora. Primeira pergunta: “qual foi a última vez que vocês foram ao veterinário?”. A tutora me explicou que o pequeno estava passando por tratamento de pedra na bexiga e uretra.

Quem já teve pedras no rim, sabe muito bem a dor que o pobre cãozinho sente. Eu mesma já tive. Se pudesse, teria mordido muitos médicos pouco delicados, durante o teste Sinal de Giordano (tapinhas na região do rim, para verificar o nível da dor).

Resumo: os crises de agressividade datam de um período pouco anterior a descoberta da doença renal do peludo. Enquanto não terminar o tratamento e minimizar a dor, todos os manejos comportamentais serão pouco eficientes. Claro que já podemos começar uma modificação no ambiente que ele vive. Porém, enquanto ele estiver com dor, seu comportamento estará alterado.

Isso não acontece apenas nesse cãozinho. Pode acontecer com o gato ou cachorro da sua casa, do vizinho, do amigo, de um conhecido. Prestar atenção em qualquer alteração e levar ao médico veterinário é de suma importância!

Me siga por aí:

Facebook: @bichoterapeuta

Instagram: @luizacervenka

Youtube: Luiza Cervenka

 

Pedro Pascal, de ‘Narcos’, será protagonista de série ligada ao universo ‘Star Wars’ | Pop & Arte

O ator chileno Pedro Pascal, conhecido pelas participações em “Narcos” e “Game of Thrones”, será o protagonista de “The Mandalorian”, a primeira série que a Disney lançará em seu novo serviço de streaming.

As informações foram inicialmente divulgadas nesta terça-feira pela revista “Variety”. “The Mandalorian” será, além disso, a primeira série de live-action do universo criado por George Lucas e terá diretores famosos, como Dave Filoni (“Star Wars: Rebels”), Deborah Chow (“Jessica Jones”), Rick Famuyiwa (“Dope”), Bryce Dallas Howard (“Jurassic World”) e Taika Waititi (“Thor Ragnarok”.

Jon Fravreau, diretor de “Homem de Ferro”, será roteirista e produtor-executivo da série, que contará a história de um misterioso guerreiro, protagonizado por Pascal, da raça mandaloriana, a mesma de Jango e Boba Fett, dois dos personagens mais celebrados da saga de filmes de George Lucas.

A Disney não revelou detalhes sobre o roteiro da série, mas informou que a história passa após a queda do Império, narrada na primeira trilogia de filmes da saga, e antes do nascimento da Primeira Ordem, retrata nos dois últimos longas de “Star Wars”.

A empresa anunciou recentemente que o mexicano Diego Luna voltará a viver Cassian Andor, protagonista de “Rogue One: Uma História Star Wars”, em uma série que também será exibida por streaming.

As gravações devem começar no próximo ano, e a história focará na figura do rebelde antes dos eventos que ocorrem no filme.

A plataforma de streaming da Disney será lançada em 2019 nos Estados Unidos.

Doces são os principais vilões do paciente com diabete? Entenda – Geral

No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, houve um aumento de 61,8% no registro de casos de diabete em 10 anos. A International Diabetes Federation estima que, até 2035, 19 milhões de brasileiros terão a doença. Nesta quarta-feira, 14, é celebrado o Dia Mundial de Luta contra o Diabete.

Especialistas estão preocupados também com o alto índice de pacientes com pré-diabete. É um estágio anterior da doença, que mostra um risco alto de desenvolvê-la. “Os pacientes com quadro de pré-diabete devem mudar o estilo de vida, principalmente no que diz respeito aos hábitos alimentares e à prática de atividades físicas. Alguns fatores de risco também podem contribuir para o desenvolvimento da doença, tais como idade acima dos 45 anos, excesso de peso, sedentarismo, hipertensão, entre outros”, alerta a endocrinologista Lívia Marcela, mestre em Endocrinologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Receber o diagnóstico de diabete não é fácil. Por vezes, o paciente tem a sensação de que nunca mais poderá comer nada – o que é um mito. O segredo está na distribuição de alimentos, na dieta com moderação e na monitoração da glicemia. O produto mais conhecido como o “vilão” para diabéticos é o açúcar. Mas ele é o causador da doença? Lívia Marcela responde: “O consumo de açúcar isoladamente não pode ser apontado como causa da obesidade, diabete ou outras doenças graves. O paciente deve ter uma dieta individualizada mas com o controle da ingestão de carboidratos, sobretudo os simples”.

Em outubro, o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, anunciou um acordo com a indústria de alimentos processados para a redução do nível de açúcar em vários produtos. A proposta inclui iogurtes, achocolatados, sucos em caixinha, refrigerantes, bolos e biscoitos. “Cada um terá um nível de redução de açúcar, que será estabelecido até 2021”, disse Occhi. Para a endocrinologista Lívia Marcela, avaliar a quantidade de açúcar nos alimentos é uma tarefa bem difícil. “Não conseguimos ver o açúcar nos alimentos e até mesmo alimentos salgados possuem uma quantidade exagerada de açúcar. O consumo de açúcar não deve exceder 10% do total de calorias diárias. Alguns alimentos foram listados com suas quantidades de açúcar”, disse.

Elaboramos uma lista da quantidade de açúcar em alguns alimentos que podem se tornar vilões da saúde:

– Biscoito amanteigado: predominantemente salgado, porém cada biscoito contém 1 colher de açúcar.

– Chocolate: um quadradinho de chocolate contém meia colher de açúcar.

– Petit gateau:  pode conter 7 colheres de açúcar em sua composição e é um dos produtos mais açucarados que se pode encontrar.

– Iogurte: algumas opções podem conter até 2 colheres de açúcar

– Refrigerantes: 7 colheres de açúcar

– Folhados doces: de 2 a 3 colheres de açúcar. Além disso, a massa folhada torna esse tipo de alimento bastante gorduroso por levar muita manteiga na receita.

– Ketchup: cada sachê tem uma colher de açúcar.

– Biscoito recheados: 1 colher em média

 

Esses são só alguns alimentos que contêm o açúcar “oculto”. E aí, você sabe quantas colheres de açúcar usa por dia?

Os carboidratos são responsáveis por fornecer energia às células do corpo, para isso, o organismo precisa transformá-los em açúcar e, por essa razão, eles são os nutrientes que mais elevam a glicemia. Porém, agem como o combustível para o carro. Quem elimina o carboidrato e passa a viver de salada e bife tem dores de cabeça e  sente fraqueza. Pode fazer mal se consumido em excesso, porém, quando bem dosado, combinado como deve ser, pode melhorar a saúde. Os alimentos que contêm carboidratos são os cereais (arroz, milho, aveia), massas, pães, tubérculos, açúcar e frutas. Equilíbrio no cardápio é o segredo.

O tratamento da diabete começa pelos hábitos de vida saudáveis, na avaliação da endocrinologista Christiane Carvão, do Centro de Estudos e Pesquisas da Mulher. “Ao contrário do que se pensa, o diabete tipo 2, quando recém diagnosticado, pode ser curado se a pessoa logo adquirir novos hábitos de vida e fizer uso correto da medicação”, explica a médica. Para a especialista, a principal forma de prevenção é ter uma vida saudável, moderando o estresse, evitando ganho excessivo de peso, praticando atividades físicas e mantendo uma alimentação saudável, rica em verduras, legumes e carnes magras.