Luan Santana rima amor com sexo na batida pop e extrovertida de EP que revolve as raízes sertanejas do artista | Blog do Mauro Ferreira

Luan Santana rima amor com sexo na batida pop e extrovertida de EP que revolve as raízes sertanejas do artista

Das seis músicas inéditas desse disco de concepção itinerante, gravado ao vivo em shows feitos pelo cantor sem aviso prévio em cidades como Estrela do Indaiá (MG) e Piranhas (AL), somente duas, A e Menina, evocam o romantismo de outrora.

Mesmo assim, o amor romântico é abordado com alto teor de erotismo nessas duas músicas. A balada A usa o prazer sexual como argumento para fazer uma garota se decidir pelo amor do intérprete da letra de versos como “Quem traz o céu para o chão / Quem tira o céu / Te deixa molinha no chão”.

Com refrão aliciante, Menina expõe o caso de amor da “menina da rua de cima” com o “carinha da rua de baixo” que, driblando diferenças sociais, se encontraram na “rua do meio” e espalharam amor pelo bairro. O grandioso arranjo pop, quase épico, de Menina indica que, em vez do intimismo de baladas anteriores do repertório do cantor, Luan prioriza a extroversão no EP Live-móvel.

O disco, aliás, revolve as raízes sertanejas do cantor projetado há dez anos, mas com maior apelo pop sexual. O amor é explicitamente erotizado nos versos de Sofazinho, batidão sertanejo dividido por Luan com a dupla Jorge & Mateus.

Em Vingança, ode à pegação para dar o troco em traição, Luan cai na cadência do funknejo com toque de latinidade perceptível também na já mencionada Sofazinho – música promovida com clipe lançado simultaneamente com o EP – e em Quarto, outra música que rima amor com sexo com a mesma falta de sutileza que pauta os versos confessionais de Machista.

Machista é tema gravado por Luan com a dupla Simone & Simaria e introduzido pelo toque de um violão até cair (logo) no batidão pop sertanejo que domina o mercadão musical nacional.

A propósito, Luan Santana já lançou cancioneiro mais melódico e menos apelativo. Em Live-móvel, o popstar dança conforme a música, no passo da indústria. (Cotação: * * *)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *