Corinthians supera erro de arbitragem, empata com o Inter e ajuda o São Paulo – Esportes

O Corinthians teve de correr atrás de um erro da arbitragem para empatar com o Internacional por 1 a 1, neste domingo, em sua Arena em Itaquera, e de tabela ajudou o rival São Paulo a se manter na liderança isolada do Campeonato Brasileiro. No gol do time gaúcho, Leandro Damião estava em posição irregular, mas na etapa final os paulistas igualaram o marcador.

Jair Ventura montou o Corinthians com quatro jogadores na frente, sem um centroavante fixo, com Jadson muitas vezes flutuando como o jogador mais avançado e três meias ajudando na frente e na marcação: Romero, Mateus Vital e Clayson. E com essa formação o time começou melhor e quase abriu o placar com Douglas, em vacilo da zaga, mas a bola foi para fora.

Depois, Fagner teve ótima chance. Ele recebeu na direita, chutou, mas Marcelo Lomba espalmou. Só que aos poucos o Inter foi acertando o posicionamento e a marcação no adversário. E a partir daí conseguiu amarrar o jogo e evitou que sofresse muitos perigos.

Com essa postura mais cautelosa do Inter, o duelo diminuiu em emoção e os dois lados pouco produziram. Só que antes do intervalo, o Inter chegou ao gol em um erro grave da arbitragem. Em uma falta da intermediária, Edenilson cruzou e Leandro Damião mandou para o gol. Ele e outros três companheiros estavam impedidos, mas a arbitragem validou o lance.

No segundo tempo, antes de a bola rolar, os jogadores do Corinthians pressionaram a arbitragem e reclamaram do lance. O time também insistiu mais e logo chegou ao gol. Numa cobrança de escanteio de Jadson, Romero cabeceou, a bola bateu na trave e sobrou para Douglas, sozinho, mandar para o gol, empatando a partida.

O Inter sentiu o golpe e recuou com todos os jogadores atrás da linha da bola. Só que o Corinthians tinha dificuldade de entrar na área adversária e arriscava em chutes de fora da área. Pedrinho tentou, mas Lomba segurou. O time gaúcho respondeu na mesma moeda com Patrick, mas Cássio estava atento. E o duelo terminou empatado por 1 a 1.

Na quarta-feira, o Corinthians volta a campo para enfrentar o Flamengo, em sua arena em Itaquera, pelo jogo de volta da semifinal da Copa do Brasil. Na partida de ida, os paulistas seguraram o empate sem gols e agora necessitam apenas de uma vitória simples sobre os cariocas para chegar à decisão do torneio nacional.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 1 x 1 INTERNACIONAL

Corinthians: Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Gabriel e Douglas (Araos); Romero (Emerson Sheik), Jadson, Mateus Vital (Pedrinho) e Clayson. Técnico: Jair Ventura.

Internacional: Marcelo Lomba; Zeca (Fabiano), Emerson Santos, Klaus e Iago; Edenilson, Rodrigo Dourado e Patrick; Nico López (Rossi), Leandro Damião e William Pottker (D’Alessandro). Técnico: Odair Hellmann.

Gols: Leandro Damião, aos 44 minutos do 1º tempo; Douglas, aos 4 minutos do 2º tempo.

Juiz: Eduardo Valadão (GO).

Cartões amarelos: Rodrigo Dourado e Patrick (3º).

Público: 26.916 pagantes.

Renda: R$ 1.149.396,60.

Local: Arena Corinthians, em São Paulo.

 

“Marcha para a vida” leva protesto contra o aborto para as ruas de Berlim

O protesto contra o aborto não é novo no cenário urbano de Berlim. A “Associação para o direito a vida” convoca, anualmente, pessoas para ir às ruas. O moti deste ano foi “Contra o aborto para todas as crianças” e teve muito mais participantes do que nos anos anteriores e isso, por motivos muito além da questão do aborto e seus intrísecos desdobramentos culturais, ideológicos e religiosos. A grande adesao da passeata de 2018 teve motivação política como um espelho da volta à parametros e conceitos conservadores e retrógados.

Com a Alemanha vivendo um período deimensa crise sobre o que é democracia, qual a melhor maneira de exercitá-la e de galopante ceticismo em partidos políticos estabelecidos, levou em 2018, um número bem maior de pessoas às ruas na tarde de sábado (22.). Aproximadamente 5.000 atestam as fontes de jornais berlinenses.

“É tempo de uma coalizão da consciência”

Enquanto a política de Merkel, outrora tradicionalmente arraigada no centro político, o tal veiculado “Centrão”, as forças populistas não tinham vez, não tinham onde se posicionar, tinham dificuldades em conquistar um segmento político. Com a chamada “Crise dos Refugiados” em 2015 e o “escorregar” político de Merkel para a esquerda liberal, quando decidiu abrir as portas para os refugiados presos na estação ferroviária de Budapeste, o centro político da Alemanha ficou vazio.

Forças populistas conservadoras e retrógradas entenderam a chance do momento. Ocuparam o lugar. Não somente no Brasil, nos EUA, mas também na Alemanha a direita nacionalista e populista surge não “somente” dos extremos, de eleitores que ficavam longe das urnas nos dias de eleição e que já haviam capitulado com o sistema político como tal, mas do meio da sociedade. Enquanto essa postura de ideologia acirrada dos extremos ocupa o centro, a confusão social é visível, perigosa e coloca a democracia frente à grandes desafios.

Não ao assédio sexual, não ao aborto

Também os populistas e os de direita nacionalista, membros do partido “Alternativa para a Alemanha” (AfD na sigla) descobriam a passeata como uma plataforma para se enfronhar em setores conservadores, catequizar leitores. Volker Münz, membro da bancada da AfD no parlamento alemão estava presente. Em declaração ao jornal Berliner Zeitung ele que é membro do grupo “Cristãos na AfD” afirmou que é “importante que sejam impedidas novas medidas para facilitar o aborto”. Markus Dröge, da igreja evangélica decidiu não tomar parte na passeata, por considerá-la usada indevidamente pelos populistas.

Aspecto jurídico

De acordo com o parágrafo §218 do Código Penal alemão (StGB, na sigla), o aborto na Alemanha é proibido. A pena estipulada é de três anos. Porém a legislação prevê uma cláusula que estipula que se o aborto é feito depois de um aconselhamento em uma instituição média reconhecida pelo Estado sob o teto do Ministério de Assuntos Sociais e durante as 12 semanas de gestação, o aborto continua sendo crime, mas livre de penalização. As mulheres que decidem pelo aconselhamento, recebem uma indicação e podem realizar o aborto em consultórios médicos. Porém é expressamente proibido que a médica ou médico que fez a indicação, realize o procedimento. Além da cláusula da obrigatoriedade da consulta, o código também prevê exceções em caso de abuso sexual e de estupro, assim como se for comprovado que a gravidez coloca em risco a saúde da gestante. Em caso de gravidez em meninas abaixo dos 14 anos, não se faz necessário o aconselhamento prévio à curetagem.

A lei que descriminaliza o aborto entrou em vigor na antiga Alemanha Oriental em lei aprovada em 0. de marco de 1972. No contexto da Unificação dos dois Estados em 03 outubro de 1990, deu-se a necessidade de nivelar por cima, da perspectiva dos direitos de auto-decisao das mulheres sobre o que acontece com o seu corpo sem interferência do Estado e sem criminalização. Não “somente” nesta lei, o governo comunista se mostrava mais solícito com o papel das mulheres na sociedade não somente por motivos nobres. Na época do preâmbulo de aprovação da lei a ser vigente em todo o país já unificado, o debate social foi acirrado, polêmico e emocional e durou meses.

Mesmo com todas as diferenças políticas e ideológicas, o tema do aborto, também como desdobramento da Revolução de 1968 na Europa Ocidental, foi discutido de forma controversa na Alemanha reacionária da época. Em 1971 a revista “Stern” publicou uma matéria na qual 374 mulheres confessavam terem abortado, “burlado a lei”.

Essa matéria serviu para levar o debate para o meio da sociedade. Foram essas mulheres corajosas (muitas delas perderam o emprego e o suporte de suas famílias) e tantas outras organizados pelo direito de decisão da mulher e estritamente dela, que a Alemanha hoje tem essa regra. Com os tempos retrógrados em que estamos vivendo, a discussão volta à tona com um outro cunho. Entre o argumento dos populistas é que é preciso ter mais “bebês alemães”. Na passeata de sábado no bairro do centro, Berlim-Mitte, somente um minúsculo grupo de feministas e alguns homens ousavam cantos de protesto contra a marcha retrógrada. E como uma prova do retrocesso que a sociedade alemã atravessa (e não só ela), mulheres e homens jovens também participavam, porém a maioria dos participantes era do sexo masculino, o que já é intrinsecamente contraditório. De forma ingênua e demonstrando perigosa ignorância, um cartaz afirmava: “Um homem de verdade, assume o seu filho”, como se a questão crucial fosse sobre se o pai assume a criança ou não. A gravidez representa, primeiramente e acima de tudo, uma questão biológica e ela é, indiscutivelmente, da mulher.

Foto: Paul Zinken/dpa

O contraprotesto

A passeata a favor da decisão pela mulher sobre o que deve acontecer com seu corpo também tomou as ruas de Berlim, porém sem o extra-bonus dos membros do partido populista de direita extremista, o AfD. Entretanto, as mulheres fizeram muito barulho e não pouparam em criatividade em seus cartazes: “Tirem a cruz do nosso útero“, dizia um deles. Um outro, pintado em rosa, assegurava: “EU decido” (contra o AfD e pela causa das mulheres). Um outro usava de um ataque frontal sobre os casos de crime de assédio sexual em crianças na igreja católica.

Instagram: rioberlin2018

Lady Gaga diz que quer ser mãe: ‘Estou pronta para viver essa aventura’ – Emais

Lady Gaga. 

Lady Gaga.  Foto: REUTERS/Mario Anzuoni

Lady Gaga é capa da edição mais recente da revista francesa Public, e, em entrevista dada à publicação, ela fala sobre sua carreira, sobre seu documentário e sobre família.

Questionada sobre o que falta para ela se sentir completamente feliz, ela disse que quer ter um filho. “Ser mãe, começar uma família”, falou. “Eu estou completamente pronta para viver essa aventura e, como minha mãe fez comigo, eu vou praticar conversar com meus filhos. Eu acredito muito nas virtudes do diálogo”.

Lady Gaga é noiva do empresário Christian Carino desde novembro de 2017. 

 

Em defesa, Bolsonaro reitera possibilidade de fraude na urna

Presidenciável Jair Bolsonaro. FOTO: Leonêncio Nossa

Em representação protocolada do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) reitera que há possibilidade de fraude à urna eletrônica e afirma ter “diversos motivos” para acreditar na disposição do PT em alterar o pleito.

As afirmações foram feitas dentro do pedido feito pelo PT para retirar do ar vídeo que Bolsonaro gravou no hospital. O ministro Carlos Horbach negou liminar, mas o mérito ainda será analisado pelo TSE.

No vídeo, o candidato diz que o voto impresso seria a única garantia, em 2018, que “quem votou no João vai votar para o João, quem votou na Ana ou na Maria, (o voto) vai para a Maria”. Ele relata ainda que a ex-presidente Dilma Rousseff vetou a proposta, o veto foi derrubado no Congresso, mas, depois, o Supremo Tribunal Federal acabou acolhendo parecer da procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, contra o voto impresso.

Os advogados Tiago Ayres e Andre Castro, que defendem Bolsonaro argumentam que a segurança das urnas não “constitui uma unanimidade”, e está dentro do seu direto à expressão. “Cabe frisar, de início, que a possibilidade de crítica às instituições do Estado constitui parte da liberdade de expressão e do próprio Estado Democrático de Direito.
O que não se deve admitir é o desacato às suas decisões, como aliás vem fazendo sistematicamente a coligação representante em relação às decisões do TSE”, afirma. (Naira Trindade)

Vaticano assina acordo histórico com a China para nomeação de bispos – Internacional

CIDADE DO VATICANO – O Vaticano e a China assinaram neste sábado, 22, um “acordo provisório” sobre a nomeação de bispos, um avanço no assunto que prejudicou por décadas as relações diplomáticas entre os dois e provocou uma divisão entre os católicos chineses.

O documento resolve um dos principais pontos de discórdia entre Pequim e a Santa Sé nos últimos anos, com o Vaticano concordando em aceitar sete bispos que haviam sido nomeados pela China sem o consentimento do papa Francisco.

O avanço surge quase 70 anos depois que a Santa Sé e Pequim romperam relações diplomáticas. A insistência de longa data da China de que deveria nomear bispos conflitava com a autoridade papal.

O Vaticano disse que agora todos os bispos na China estão em comunhão com Roma, mesmo que a comunidade católica no país ainda esteja dividida entre os católicos que pertencem à Igreja oficial da China e os que são da Igreja que permanece leal ao pontífice.

“O papa Francisco espera que, com essas decisões, um novo processo possa começar e permitir que as feridas do passado sejam superadas, levando à completa comunhão de todos os católicos chineses”, declarou o Vaticano em um comunicado.

Alguns católicos chineses se opuseram ao acordo, principalmente o cardeal de Hong Kong Joseph Zen, que havia chamado anteriormente a medida de venda daqueles que se recusavam a se unir à Associação Estatal Patriota de Católicos Chineses e pagavam o preço por permanecerem leais a Roma durante anos de perseguição.

Zen não respondeu aos pedidos por comentários sobre o assunto, mas em seu blog criticou a falta de detalhes do documento, incluindo a não menção do status de diversos bispos já nomeados pelo papa.

“Qual é a mensagem que esse comunicado transmite aos fiéis na China? ‘Acreditem em nós! Aceitem esse acordo!’”, escreveu ele, acrescentando que o texto é equivalente ao governo chinês dizer aos católicos “nos obedeçam, estamos de acordo com o seu papa”.

O porta-voz do Vaticano, Greg Burke, indicou que o acordo servirá como um rascunho para a nomeação futura de bispos, que lideram os fiéis em suas dioceses. Ele disse a jornalistas que o objetivo “não é político, mas pastoral, permitindo que os fiéis tenham bispos que estejam em comunhão com Roma e, ao mesmo tempo, sejam reconhecidos pelas autoridades chinesas”.

O número 2 do Vaticano indicou que o papa e as autoridades chinesas aprovariam conjuntamente as novas nomeações de bispos. “O que é necessário agora é unidade, e um novo impulso: ter bons pastores, reconhecidos pelos Sucessor de Pedro (papa Francisco) e pelas autoridades civis legítimas”, afirmou o cardeal Pietro Parolin.

Um oficial do Vaticano disse mais cedo neste ano que o acordo permite que o papa vete efetivamente futuras nomeações de bispos por Pequim. O funcionário, que pediu anonimato em razão das negociações diplomáticas envolvidas, descreveu o texto como o melhor arranjo que a Santa Sé poderia alcançar agora.

A natureza provisória do acordo deixou aberta a possibilidade de mudanças. O Vaticano descreveu o documento como “fruto de uma aproximação gradual e recíproca”, resultado de um “longo processo de negociação cuidadosa”.

Diplomacia e liberdade religiosa

Enquanto o acordo pode ajudar a pavimentar o caminho para retomar as relações diplomáticas entre o Vaticano e a China, e para uma possível viagem de Francisco ao país, também deve provocar a ira dos católicos que defendem vigorosamente que a Santa Sé mantenha um posicionamento linha dura no que diz respeito aos 12 milhões de fiéis chineses.

O acordo foi assinado em Pequim durante um encontro entre o vice-ministro das Relações Exteriores da China, Wang Chao, e o subsecretário do Vaticano para assuntos de Estado, Monsenhor Antoine Camilleri.

Em Pequim, Chao disse que a “China e o Vaticano continuarão a manter diálogo e avançar com o processo para melhorar as relações entre os dois lados”. Ainda assim, mesmo Pequim demonstrando o desejo de melhores relações com a Santa Sé, o documento foi assinado tendo como pano de fundo uma repressão chinesa às religiões.

Sob a presidência de Xi Jinping, o líder mais poderoso da China desde Mao Tsé-tung, os fiéis viram sua liberdade religiosa encolher. Especialistas e ativistas afirmam que conforme Xi consolida seu poder, promove a mais sistemática supressão do Cristianismo desde que a constituição chinesa permitiu a liberdade religiosa em 1982. O presidente tenta implementar em todas as religiões do país “características chinesas”, como lealdade ao Partido Comunista. / AP

Ana Vilela traz três hits sertanejos para o estilo pop folk da artista | Blog do Mauro Ferreira

A artista até já lançou outras canções autorais na mesma linha de Trem bala, caso de Promete (Ana Vilela, 2017), música que será propagada na trilha sonora da nova novela das 18h da TV Globo, Espelho da vida, que estreia na próxima terça-feira, 25 de setembro. Mas nenhuma ganhou o impulso viral de Trem bala.

Tanto que uma das apostas da gravadora Som Livre neste segundo semestre de 2018 é na incursão de Ana Vilela por repertório alheio selecionado no universo sertanejo. Em sintonia com o episódio do programa Versões (Multishow), em que Vilela recicla hits recentes do repertório sertanejo, o EP Novo sertanejo está nas plataformas digitais desde sexta-feira, 21 de setembro, com reciclagens de três músicas.

A novidade do título reside mais no fato de as três músicas serem recentes, tendo sido lançadas de 2015 para cá, do que em alguma suposta reinvenção estética do gênero. Até porque, a rigor, Ana Vivela nada faz mais do que trazer as três canções para o estilo pop folk da cantora.

A seleção inclui um dos últimos grandes sucessos do cantor Luan Santana, Escreve aí (Bruno Caliman, Luan Santana, Douglas Cezar e Dudu Borges, 2015). Hitmaker do gênero, o compositor baiano Bruno Caliman é coautor de Escreve aí e parceiro de Rafael Torres em Quase (2017), sucesso da dupla Cleber & Cauan também reciclado por Ana Vilela no EP Novo sertanejo.

Completa o EP a regravação de Que sorte a nossa (Paula Mattos, Fernando Paloni e Luiz Paloni, 2015), música lançada na voz de Paula Mattos em abril de 2015 e amplificada nas vozes da dupla Matheus & Kauan em gravação feita e editada ainda naquele ano de 2015.

Bayer Leverkusen derrota Mainz e soma os primeiros pontos no Campeonato Alemão – Esportes

O
Bayer Leverkusen obteve os primeiros pontos no
Campeonato Alemão neste domingo, ao vencer o
Mainz por 1 a 0, em seu estádio. O único gol da partida foi marcado por
Havertz, aos 17 minutos do segundo tempo.

Com o resultado, o Leverkusen subiu para o 15º lugar da tabela e saiu da zona de rebaixamento. Já o Mainz, que perdeu pela primeira vez, estacionou nos sete pontos e segue na cola dos primeiros colocados. No momento está na beira da zona de classificação às competições europeias.

Na quinta rodada, o Leverkusen vai visitar o Fortuna Düsseldorf na quarta-feira, enquanto o Mainz receberá o Wolfsburg no mesmo dia.

No outro jogo do Alemão neste domingo, em Frankfurt, o Eintracht e o RB Leipzig ficaram no empate por 1 a 1. Gelson Fernandes abriu o placar para o time da casa, aos 26 minutos da etapa. Emil Forsberg, aos nove minutos da etapa final, empatou a partida.

O Eintracht é o 13º colocado, com quatro pontos. Seu próximo jogo é contra o Borussia Monchengladbach. O RB Leipzig, tem cinco pontos, em décimo lugar. O time volta a atuar, em casa, frente ao Stuttgart.

 

Rodrigo Caio comemora volta ao São Paulo depois de cinco meses – Esportes

O empate em 1 a 1 no Morumbi com o América-MG, neste sábado, pode ter decepcionado o São Paulo no Campeonato Brasileiro, mas ainda assim trouxe uma boa notícia. A partida marcou o retorno do zagueiro Rodrigo Caio aos gramados após cinco meses. A presença dele foi motivo de comemoração e fez o treinador Diego Aguirre ter pelo menos um motivo para comemorar.

O defensor passou por uma cirurgia no pé esquerdo no primeiro semestre, procedimento que o atrapalhou a participar da Copa do Mundo, na Rússia, e o afastou de vários compromissos do São Paulo. O longo intervalo chegou ao fim em uma partida em que Rodrigo Caio atuou fora de posição. Foi preciso improvisá-lo como lateral-direito no jogo com o América-MG.

“Joguei com o (Emerson) Leão em 2012 como lateral, quero ajudar da melhor forma. Fiquei muito tempo parado, poder voltar, ajudar minha equipe, não tem preço. O que o meu time e o treinador precisar, vou fazer”, disse o jogador. O São Paulo saiu na frente do América-MG com um gol de Diego Souza, porém levou o empate no segundo tempo, com Matheusinho.

Aguirre lamentou a atuação do time, porém destacou a presença de Rodrigo Caio. A partir de agora ele fica à disposição para as próximas partidas para recuperar ritmo de jogo. “A volta dele é importante para o São Paulo, é um jogador com nível de seleção brasileira. O Rodrigo Caio, mesmo depois de meses sem atuar, fez um bom jogo e eu achei que ele era a melhor opção”, afirmou.

Rodrigo Caio virou lateral porque Bruno Peres está se recuperando de lesão. O zagueiro Bruno Alves não atuou por estar suspenso, então o técnico uruguaio montou a formação com Anderson Martins e Arboleda na dupla de defesa. “Infelizmente não foi o resultado que gostaríamos na minha volta. Tivemos o controle do jogo inteiro, mas vacilamos no final”, disse o defensor.

 

Prefeitura de Sorocaba inicia obras da primeira linha do BRT – São Paulo

SOROCABA – A Prefeitura de Sorocaba, no interior de São Paulo, lançou neste sábado, 22,  as obras da primeira linha do BRT (Bus Rapid Transit), na cidade de 671 mil habitantes.

O serviço vai interligar com ônibus rápidos a região central e a zona norte, a de maior população e a mais congestionada da cidade. Pela Avenida Itavuvu, onde foram iniciadas as obras do corredor exclusivo para o BRT, passam cerca de 45 mil veículos por dia. Conforme o prefeito José Crespo (DEM), o tempo menor de viagem deve motivar as pessoas da região a deixarem o carro em casa.

As obras da primeira linha devem durar seis meses e, nesse período, haverá interdições na avenida, principal corredor viário da região. A Urbes, empresa municipal de trânsito, preparou rotas alternativas para os motoristas. A intervenção vai exigir o remanejamento da rede elétrica e os bairros da podem ser afetados pelo desligamento da energia.

Os outros corredores previstos no contrato com o consórcio que vai operar o BRT têm como eixos as avenidas Ipanema, também na zona norte, e General Carneiro, na região oeste. De acordo como a prefeitura, a entrada em operação do BRT não vai alterar a tarifa do transporte coletivo – atualmente o passe comum custa R$ 4,20.

O consórcio BRT Sorocaba, formado pelas empresas MobiBrasil e CS Brasil, obteve a concessão para operar o sistema por vinte anos. Além de construir 68 km de corredores e faixas exclusivas, a concessionária terá de adquirir a frota de 125 ônibus com Wi-fi e ar condicionado, sendo 41 articulados.

Do investimento previsto, de R$ 384 milhões, o Ministério das Cidades financiará R$ 133 milhões e a prefeitura dará contrapartida de R$ 6,6 milhões. O restante será investido pelo consórcio, que deve lançar mão de financiamentos privados.

Análise: João Gilberto colhe hoje o que não plantou – Aliás

João Gilberto, aos 87 anos, se tornou, lamentavelmente, um troféu. O homem que deu relevância cultural ao Brasil ao fundar a bossa nova é disputado por mulheres, familiares, amigos, pseudoamigos, jornalistas, pseudojornalistas, cineastas, músicos, biógrafos, executivos de banco, empresários e toda sorte de uma gente que coloca na descoberta de seu paradeiro os louros de uma conquista pessoal. Achar João é bom para quem acha, só para quem acha. E poucos estão preocupados com o que ele de fato quer.

João segue pelo Rio de Janeiro em endereço incerto, ora sob os cuidados da ex-namorada moçambicana Maria do Céu no apartamento da Rua Carlos Góis, no Leblon, ora no apartamento de Copacabana que pertencia à Heloísa Faissol, socialite morta em 2017 e irmã de Claudia, que tem uma filha com o cantor. Alguns amigos chegaram a retirá-lo do apartamento da Carlos Góis em uma operação na calada da madrugada para que ele recebesse tratamento médico em uma casa da Gávea. João ficou por lá pouco tempo, antes de decidir voltar ao seu mundo.

Os filhos do cantor, Bebel e João Marcelo, mal falam entre si. A aura beligerante que envolve os assuntos do pai – dinheiro está muitas vezes no centro deles – impede o culto à leveza que João tanto praticou em sua obra durante décadas. 

A gravadora EMI gasta milhões com advogados todos os anos para provar que é detentora dos direitos de obras como O Mito, de 1992, com remasterizações das quais João tanto reclama. O Banco Opportunity apareceu em um momento financeiramente delicado do artista e, por R$ 10 milhões, levou os direitos autorais de Chega de Saudade (1959), O Amor, o Sorriso e a Flor (1960) e João Gilberto (1961), os atos decisivos para a criação de um mito.

Há outro exemplo nas salas de cinema. Inspirado no livro do escritor alemão Marc Fischer, morto em 2014, o cineasta francês Georges Gachot filmou Onde Está Você, João Gilberto. Ele, como Fischer, não mede esforços para encontrar o artista pelo Rio, em uma relação que beira a comportamentos obsessivos. Chega a convencer um ex-empresário de João para que ele entre no apartamento em que vive o músico enquanto o diretor espera o momento certo para agir do lado de fora. 

João Gilberto colhe o que não plantou e sua percepção da agressividade que o espreita da porta para fora só o faz negar este mundo ainda mais. O brasileiro que criou uma música para louvar o silêncio vive seus últimos anos com os ouvidos zunindo pelo barulho da disputa pelo legado de sua obra. João não merecia isso.